Conto: as odaliscas e suas máscaras

Não dá mais para dizer que isso é só humor, então agora será: sem imaginação, ironia e criatividade, eu nada seria.

Há muitos anos atrás, em algum momento da história da dança do ventre, as odaliscas já não sabiam mais o que fazer para atrair a atenção do público. Elas já tinham inventado dança com cobras, dança com macaco, dança com leque e até com um relógio cuco! Mas nada atraia a atenção das pessoas sobre elas.

Um belo dia de verão, uma das odaliscas de um famoso harém, chamada Sumaya, resolveu inovar: com papel machê e um pouco de magia, criou uma máscara. Depois a enfeitou com lantejoulas e fitinhas coloridas e, quando estava seca e pronta, resolveu dançar com ela na sua apresentação à noite.

Foi um sucesso tão gigantesco que todas as outras odaliscas daquele harém correram para copiar. Como a máscara era feita manualmente, cada uma acabou criando máscaras de cores variadas, mas, logo, elas perceberam que nenhuma máscara fazia tanto sucesso como a de Sumaya e assim constataram que só podia ser por causa da magia.

Passaram, então, a encomendar máscaras a Sumaya. O resultado foi que a  odalisca acabou abandonando a dança e abrindo um ateliê para fabricação das benditas. Dava bem mais dinheiro!

O segredo de sua magia não foi revelado a ninguém, a não ser para suas aprendizes – todas mudas de nascença.

O sucesso das máscaras espalhou-se por toda a região e o colorido das novas criações dominou o mundo. Dançar de máscaras passou a ser o “must”.

Com o passar do tempo, tamanho sucesso que eram as apresentações com máscaras, as bailarinas já não as tiravam mais. Usavam-nas dentro de casa, nas suas atividades cotidianas, nos encontros sociais e só se livravam mesmo pra ir dormir.

O costume da produção das máscaras passou de geração a geração até chegar aos dias atuais. Lógico que as máscaras se diversificaram – deixaram de ser tão artesanalmente elaboradas e passaram a ter novas ferramentas tecnológicas como, por exemplo, chip implantado para rastreamento à distância, filmadora inserida e blu-ray. Qualquer bailarina, para ser aceita em seu meio, deveria usar uma dessas, de preferência, de última geração.

O que as bailarinas não contavam é com um acontecimento chocante: durante algumas apresentações, as máscaras começaram a se partir. Ninguém sabe, nem viu como começou a epidemia, mas todos sabem que ela aconteceu pelos quatro cantos do planeta. Todas as máscaras disponíveis se quebraram!

Desesperadas, algumas bailarinas perdiam completamente a compostura, pois já não sabiam viver sem o objeto. Já não acertavam nem dançar e pareciam atormentadas e, à medida que ficavam cada vez mais desesperadas, seus rostos tornavam-se transfigurados. Outras perceberam que dançar sem máscaras até era mais confortável. Outras nem perceberam que suas máscaras haviam caído…

Uma detetive foi chamada para investigar a causa e, após meses de pesquisa concluiu que a queda e quebra das máscaras estava diretamente relacionada à magia original pela qual estas eram fabricadas.

No início teve grande dificuldade em tirar a verdade das artesãs, já que todas eram mudas, mas, lendo os antigos escritos, descobriu o seguinte registro escrito pelas mãos da Sumaya: “as máscaras partirão no dia em que uma bailarina levantar falso testemunho e/ou denegrir a imagem de uma colega; todas as máscaras cairão no dia em que uma bailarina espalhar fofocas sobre outras bailarinas; todas as máscaras serão desmanchadas automaticamente depois que uma usuária fingir tratar bem uma colega apenas por interesse. Todas as máscaras – indiscriminadamente, padecerão diante do orgulho, do fingimento, do excesso de vaidade e da inveja. E, a partir de então, todas as bailarinas serão obrigadas a se apresentarem com seus rostos conforme vieram ao mundo. Algumas serão bonitas, outras normais, outras feias porque assim já o eram, mas ninguém sabia. Mas aquelas responsáveis pelos acontecimentos que culminaram na quebra das máscaras estarão condenadas a, todo sempre, a viver desfiguradas fisicamente – seus rostos já não serão nem belos, nem feios – serão um amontoado de crecas feitas de lodo e limo – e sua dança já não será encantadora, mas seu público talvez ainda a siga, afinal de contas, a cegueira dele é opção de cada um”.

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Conto: as odaliscas e suas máscaras

  1. Vivi disse:

    Essa foi forte, flor.

  2. Elaine disse:

    Adorei o conto Lory!

  3. Karine Al Shams disse:

    Obrigada pelo texto, Lory. As máscaras caem – ainda bem – pena que até lá muito estrago já foi feito.
    Por conta dessa e de outras talvez seja melhor riscar da agenda tais Bailes de Máscaras. Uma cara limpa não merece isso, definitivamente.
    Beijão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s