Feedback e dança do ventre

Uma das atribuições que tenho no meu atual trabalho é acompanhar os servidores do Estado que atuam como instrutores e avaliá-los conforme os princípios adotados pela Universidade Corporativa.

Nesse pouco tempo de prática, aprendi várias coisas, conheci muita gente e vi todo tipo de instrutor em cena, mas, o que ficou de mais substancial foi a importância de dar um feedback acertivo, dando ao instrutor elementos que possibilitem o seu crescimento, encorajando-o, imprimindo-lhe ânimo para seguir em frente no desafio de ensinar outros servidores públicos.

Esse trabalho foi muito enriquecedor. Quando se é acertivo no feedback, você tem possibilidade de ver aquela pessoa transformar o que não foi bom na sua aula em plano de ação, aprimorar mais ainda seus pontos fortes e, conseqüentemente, se tornar um instrutor muito melhor.

Pensando nisso tudo, fiquei com vontade de elaborar um mini-roteiro para feedbacks de performances em dança do ventre – prática tão importante e tão pouco efetivada no nosso meio.

Geralmente, quando a gente pede feedback de uma amiga, ou a gente só escuta elogio ou marretada, ou então percebe que a pessoa fica meio sem graça para falar daquilo que não foi bom. As professoras tendem a ser mais precisas, mas as vezes podem ser meio trator, saem falando sem muito cuidado ou acabam passando a mão pela cabeça porque a pupila ainda é uma aprendiz e pode errar o quanto quiser. Não é bem assim.

Estabelecer um bom feedback é dar ao outro a possibilidade de crescimento e de reconhecimento de sus potenciais e necessidades de melhoria. É ajudar o outro a construir seu caminho de aprendizagem.

Lógico, esse roteiro que vou apresentar aqui não pretende ser entendido como direção única, mas como uma maneira de você se inspirar (principalmente se dar feedback é algo muito difícil pra você) quando tiver que dar um feedback para alguém, seja para sua amiga, seja pra sua aluna.

A base desse roteiro é de uma entrevista de Coaching que fui adaptando conforme nossa prática de dança e pensando na avaliação feita cara a cara  e tendo o vídeo da performance em questão como recurso.

Roteiro da entrevista formal de Coaching adaptado para dança

Estágio 1:Preparação (você sozinha)

• Faça uma análise do desempenho geral da performance da bailarina

• Reúna informações específicas como leitura musical, qualidade técnica, execução dos movimentos, expressão facial, deslocamentos, giros, interação com o público, entrega, personalidade.

• Separe, de todas as suas observações, os acertos da bailarina dos desacertos.

• Estabeleça os pontos fortes e as necessidades de melhoria.

Estágio 2: Abertura

• Caso seja uma pessoa que você tenha pouco contato, estabeleça um vínculo emocional inicial.

• Explique como você se sente honrada em poder dar esse feedback.

• Pondere as vantagens e desvantagens de fazer uma avaliação – avaliar uma performance é avaliar um recorte de determinado momento de uma bailarina. Nenhuma bailarina é apenas aquilo que está naquele único vídeo –ela é muito melhor e tem muitos mais questões a serem trabalhadas do que o que aparecem ali. Em compensação, ali se tem uma pequena amostra de todo seu potencial e sua necessidade de melhoria.

Estágio 3:Feedback

• Comece pedindo a ela que faça uma avaliação geral de sua performance. Pode parecer maluco, já que ela pediu sua opinião, mas perguntar a ela o que achou de si mesma pode te dar vários elementos pra começar a conversa.

• Em seguida, apresente os elementos positivos sob seu ponto de vista. Pontue todos que você conseguiu enumerar no estágio de preparação. Se possível, mostre isso pra ela no vídeo.

• Dê foco nos pontos fortes e de como ela pode trabalhá-lo de forma melhor.

• Indique os “desacertos”. Mostre a ela, através do vídeo, o que não deu muito certo, porquê e como ela poderia ter feito (nesse momento, é importante que você solicite as opiniões da bailarina).

• Acolha as reações dela.

• Identifique os benefícios para sua performance se ela trabalhar melhor naquilo que não deu muito certo dessa vez. Enfatize os pontos fortes novamente e lhe estimule a explorá-lo mais.

Estágio 4:Plano de Ação e Encerramento

• Explore meios para implementar as mudanças necessárias com a bailarina

• Defina um plano de ação específico, com objetivos e prazos: o que estudar, com que freqüência, como.

• Programe um acompanhamento, se for o caso.

***

Me escreve contando o que vocês acharam: isso é útil ou foi viagem demais minha achar que a gente consegue fazer algo assim na dança do ventre?

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Feedback e dança do ventre

  1. LuArruda disse:

    Oi! É essencial esse seu post! E você fez a adaptação do feedback para o mundo bellydance de maneira pontual e eficaz! Como Psicóloga Organizacional- um dos meus trabalhos- eu te contrataria! hi,hi… Quando eu elogio o Curso de Direção do Jorge, o pessoal não entende, mas é isso extamente que ele faz no curso. Minha dança melhorou muito depois dos feedbacks dele. Mas vale ressaltar ai Lory, um ponto importante – a única coisa que eu acrescentaria no seu texto: a Bailarina precisa estar aberta, pronta pra receber o feedback. Porque senão, não adianta nadica de nada!
    😉
    beijocas!

  2. Suheil disse:

    Parabéns!
    Você não está viajando não! Se as profissinais se atentassem mais para isso, com certeza a qualidade de nosso trabalho melhoraria muito!

    Este ano comecei a fazer avaliações das bailarinas que recebem meu selo, e o critério adotado foi exatamente “feedback”.

    Fantástica esta sua forma extremamente bem colocada do tema!
    Lilililililili

    Porém existe uma triste verdade: o ego dentro desta modalidade de dança ainda dificulta em muito que algo tão produtivo como o feedback seja aceito com a naturalidade que merecia.

    Obrigada por esta contribuição. Vou indicar!
    Bjks
    Suheil

    • lorymoreira disse:

      Oi Suheil, obrigada pelo incentivo. É como colocou a Luciana Arruda: feedback só surte efeito em quem o deseja.
      Acho que nossas questões de ego são incompatíveis com esse tipo de trabalho.
      Um beijo grande da Bahia!

  3. Elaine disse:

    Achei o material que você preparou excelente, Lory!
    Quando precisar vou utilizá-lo, aliás, já vou tentar pensar nele quando for analisar o vídeo de alguma colega do Estudo Aplicado.
    Parabéns pela iniciativa.

    • lorymoreira disse:

      Massa, Elaine! Vamos pô-lo mesmo em prática!
      Nunca tive a experiência de fazer um feedback desse voltado pra dança do ventre, mas esse roteiro me foi extremamente útil na Universidade Corporativa. Deu super certo!

  4. Daiane disse:

    Muito muito muito muitíssimo obrigada mesmo, Lory!

  5. Márcia Mignac disse:

    Lory…
    Muito pano pra manga isso aqui. Menina vou ler com mais atenção e fazer minhas contribuições no final de semana… inté! Beijinhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s