Reconhecendo estilos: Lamma Bada

Lamma Bada Yatsama é uma música que considero quase intocável. Um muwashaha clássico, antigo e que, na minha humilde opinião, exige uma classe e conhecimento de causa impecáveis de quem ousar dançá-lo.

O ritmo dela é o samai, considerado por algumas bailarinas e músicos como um dos ritmos mais difíceis de serem dançados.

Andei fuçando no youtube em busca de vídeos de bailarinas dançando essa música e, para minha surpresa, encontrei pouquíssimas performances para se referenciar.

Da peneirada que dei, escolhi trazer essas duas performances para vocês por elas serem bem distintas entre si:

Munira Magharib

Eu vi essa performance da Munira ao vivo, com esses olhinhos que há terra há de comer. E foi extremamente encantadora. O teatro ficou em silêncio. As pessoas pareciam extasiadas.

Eu me senti num filme antigo de Hollywood – havia uma auréa retrô, de harém, sabe? E esse  é um dos motivos que me fazem ter um especial carinho por essa performance. Pra mim, a Munira captou plenamento o sentido e emoção dessa música e nos presenteou com sua dança.

Um grande mérito é a utilização da versão do Sami Bordokan (que classe! Que voz!) e do fato da Munira ter encontrado a medida certa entre a fusão de elementos da dança oriental e do ballet.

Eu simplesmente adoro essa dança dela.

Asharah

De início, tomei um susto com esse vídeo. Até onde eu sabia, a Asharah era uma bailarina de tribal. E tribal fusion.

Mas aqui ela resolveu surpreender e mostrar seu lado mais borboletinha. Quer dizer, quase. Risos.

Reparem que ela começa a sua dança fugindo do tribal, mas que em certos momentos, utiliza aqueles movimentos quebradinhos bem característicos do Fusion. O próprio figurino me dá a idéia de uma performance tribal.

Gosto da dramaticidade com a qual ela interpreta a música e do fato de não utilizar elementos do ballet – foge ao lugar comum, fazendo uma versão bem moderna do nosso famoso e velho muwashaha. E deixa claro: você não precisa ter feito ballet clássico para dançar Lamma Bada.

Outra coisas que gosto muito são as poses que ela faz durante a música marcando o tempo da respiração – é aquela sensação de “nouussaaaa, ela está sentindo mesmo!”.

Como eu disse, versões beeeeem distintas de uma mesma música. No entanto, as duas performances têm, pra mim, uma coisa em comum: Lamma Bada é uma música para se dançar com o coração.

Não que todas as outras também não sejam, mas Lamma Bada é um poema-canção. Não dá para ficar imune ao pedido de exposição de afetos que ela faz pra bailarina.

E mesmo com estilos diferentes, tanto a Munira quanto a Asharah tocaram meu coração.

E o de vocês?

***

Bônus: traduação aqui e versões diversas dessa música para você baixar, aqui.

Referências:

Luciana Arruda

Mawwal – Portal da Música Árabe

Cadernos de Dança

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

14 respostas para Reconhecendo estilos: Lamma Bada

  1. disse:

    Oi Lory, bom dia!
    Então, eu acho a interpretação dessas músicas “classudas” realmente MUITO difícil, mas pra mim o mais complicado nesse caso é o ritmo mesmo.
    As frases harmônicas são muito longas pro meu cérebro baladi. Eu tô acostumada (talvez acomodada) com compassos quarternários simples (dum dum takata dum takata e repete…) e o samai é bem mais complexo que isso pra marcar, né?
    Eu curti a performance das duas, mas achei que a Munira explora mais amplamente a melodia na hora da interpretação mais dramática da música e sabe marcar o ritmo com mais nitidez. Sem contar com o figurido “old school” LINDO!

    Arrasou no post, como sempre!

    Beijos do interiorrr…

  2. Vivi Amaral disse:

    Já li e ouvi dizer que ‘Lama’ é uma das músicas mais antigas que existe, em torno de 3 mil anos. E concordo com vc, fia: é mais do que uma melodia para ser dançada, é para ser sentida.

    Das 2 performances que vc trouxe, a da Asharah me agradou mais, pelos motivos que vc colocou e que me fizeram “entrar” na música junto com ela. Gostei da introdução que a Munira fez, mas depois a achei ‘saltitante’ demais e particularmente eu gostaria de entender a ‘função’ dos lencinhos na coreografia. Talvez ao vivo o impacto tenha sido diferente, mas pelo vídeo achei morninho, não me empolgou.

    ‘Lama’ é uma música difícil mesmo. Além das questões que vc menciona, ela demanda também uma riqueza coreográfica, já que a melodia se repete e a tendência é a bailarina fazer sempre o mesmo gestual/sequencia de movimentos, o que pode deixar a dança cansativa. Sem dúvida, é para quem já tem uma boa estradinha de dança.

    BJks.

  3. LuArruda disse:

    Que surpresa a dança da Munira, adorei ver! Para mim tem sido um desafio criar possibilidades com esses estilos, requer mesmo MUITA criatividade e repertório de dança! Estudar é delicioso… o posto ficou show! Obrigada pelas referências, mas o mérito é todo de Farida Fahmy! beijocas

  4. Lucy Linck disse:

    Oi, Lory querida!
    Lamma Bada é uma música sempre presente nos meus estudos de dança… é uma música muito rica e cheia de possibilidades para criar, tanto na técnica quanto na expressão. Que delícia vê-la aqui, nesse post!
    As duas me tocaram muito. Mas a Munira me fez chorar.
    🙂
    Beijos!!!

  5. Carol Murad disse:

    Só tenho uma palavra p/ definir esta música: LINDA!
    Quando a ouvi pela primeira vez, e isso não faz muito tempo, chorei litros em plena aula! Só que a versão era da cantora grega Savina Yannatou. Um dia, quando os meus mais impossíveis e belos sonhos forem realizados, quero dançar e me entregar a essa música maravilhosa!

    =******************************************

  6. Lady Burly disse:

    passando só pra deixar um beijinho!

  7. lailashadows disse:

    NADA é intocável, Lory. Esse tipo de pensamento paralisa. Mas merece, sim, todo nosso respeito e estudo. Beijo!

  8. Emeline disse:

    Quem tocou meu coração foi a Munira. Sempre elegante e impecável… E essa versão do Sami é simplesmente maravilhosa! Tu sabe onde eu posso conseguir, Lory?
    Um beijo.

  9. Rubi disse:

    Lory muito obrigada, estava procurando performances de lamma bada mágicas e encontrei em seu blog.
    beijos

  10. Bianca Gama disse:

    Oi Lory!
    Ainda não conhecia o seu blog! Muito legal!
    Estou te acompanhando.

    Eu também fiz uma coreografia com a Lama Bada, há alguns anos atrás, vou tentar postar para vocês verem também, uma pena é que a filmagem ficou um pouco distante.

    Beijoss

    • lorymoreira disse:

      Oi baby. Pois é, desisti do multiply. Muito pesadão e não dá foco no jornal, como posso fazer aqui. Posta o vídeo pra gente, sim. Vai ser uma delícia vê-la em ação. Beijocas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s