Bailarina equilibrista

Não faz muito tempo que tive um sonho: eu era integrante de uma companhia de dança que ia encenar um espetáculo chamado “O Circo”. Cada número de dança seria baseado nas atrações de um circo convencional. A mim, coube o papel da bailarina equilibrista – aquela moça vestida de tutu que passeia por uma corda bamba com uma sombinha nas mãos.

Achando que meu sonho tinha um bom caldo artístico para ser aproveitado, conversei com uma amiga bailarina, psicóloga e que já foi minha professora de dança. Eu estava crente que ela ia querer aproveitar meu sonho para fazer suas artes… Mas o convite que ela me fez foi muito mais interessante: analisar esse sonho de um ponto de vista mais íntimo, da necessidade de equilibrar meu lado profissional, familiar e artístico.

Convite aceito, me lancei num mergulho não desejado para minha bailarina equilibrista (que não deseja cair, mas manter-se na linha) mas extremamente necessário para mantê-la no propósito de continuar cumprindo sua missão.

O ano de 2011 foi uma verdadeira loucura. Fiquei diante de uma nova configuração profissional onde, pela primeira vez na minha vida, não estava vinculada a nenhum trabalho e era completamente autônoma para fazer meus horários, gerenciar meu sustento e ficar desprovida de qualquer benefício que um empregado formal tem. Nesse ano, além de me virar nos trinta atrás de pacientes para atender, aulas e treinamentos empresarias pra dar e bicos pra fazer, resolvi meter a cara nos livros e estudar a sério para um concurso na minha área de formação.

No meio disso tudo, a dança logicamente ficou de escanteio. Não a abandonei, mas também não pude a abraçar inteiramente… não tinha braços, nem pernas para tanto.

Pra o caldo ficar ainda mais condimentado, tive um apendicite, fui operada de emergência e tive que ficar de molho uns bons dias em casa.

Depois de cumprido o periódo de repouso, voltei às aulas bem devagar mas aí descobri que a cirurgia deixou minha perna direita enfraquecida e isso acabou gerando um encurtamento no meu alongamento da virilha. Pra quem não sabe, o alongamento da virilha está diretamente ligado à soltura do quadril. Resultado: meus shimmis ficaram ainda mais limitados que antes. E, logicamente, a moça aqui não teve nem tempo, nem dinheiro para cuidar disso.

Mas o Universo é grandioso e, no final, todo o estresse, esforço e dor foram recompensados. Ainda estou autônoma, mas, em breve terei a garantia da estabilidade profissional que mereço. Estou muito realizada de ter voltado a atender como terapeuta ocupacional e, mais ainda, de ter investido esse tempo me dedicando ao trabalho com idosos.

Sei que pode parecer tarde para falar do ano que já passou, mas é que a minha bailarina equilibrista interna precisou de um tempo de maturação diferenciado. Esse tempo é próprio e não responde necessariamente à ordem cronológica do calendário. Eis então que aqui estou eu…

Apesar de toda loucura, de toda mudança e insegurança, a dança esteve comigo. Foi nesse ano de grandes desafios que confiei em uma nova pessoa para direcionar meus estudos como aprendiz de bailarina oriental e não me arrependo nem um pingo da minha escolha! Estou contente e segura de que tenho a professora que mereço e preciso!

Também foi nesse ano pra lá de desafiador que inventei de dançar um taksim de qanon que foi a coisa mais difícil que já fiz na vida. Não, não ficou tão bom… é um fato. Mas foi um baita desafio e me encorajou a seguir adiante na vida – a manter meu olhar firme no propósito que escolhi pra mim: estude, estude, estude… mas se emocione sempre e ponha um pouco de poesia na vida das pessoas que lhe assistem dançar.

Esse ano meu desafio ainda é uma incógnita e se desenha lentamente na minha frente. A única coisa que eu sei é que minha bailarina equilibrista pode até cair, mas está tranquila e feliz porque sabe que, lá embaixo da corda, tem uma rede de segurança que irá sustentá-la e ela poderá voltar a andar na corda bamba equilibrando seus sonhos profissionais e afetivos. Essa rede é feita de fé, de desejo, de esperança e de cada pessoa que meu deu a mão (metaforicamente ou literalmente) para que cada esforço fosse recompensado no final.

Esse post é dedicado a cada pessoa que ajudou a fazer de mim mesma uma bailarina equilibrista muito melhor! A vocês o meu eterno muito obrigada!

A gente vai se falando por aqui, no ritmo que a vida permitir, sempre pressa e sem aflições. O tempo também me ensinou que o silêncio pode ser muito inteligente 😉

Beijão!

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

10 respostas para Bailarina equilibrista

  1. Deniseê disse:

    Oi, Lory! Penso que nunca é tarde pra pensar no que passou… É um ótimo caminho pra rever o que a gente já conquistou e o que ainda quer conquistar e assim ir redesenhando nosso tempo (tão curto) aqui na terra.
    Meu 2011 foi cheio de mudanças e incertezas também! Compartilho muito do seu sentimento…
    Mais uma vez, um arraso de post! Parabéns!!!

    (Que maravilha de ideia essa do Circo, hein?! Ficaria um espetáculo lindo.)

    Beijos do interiorrrrrr

  2. Samara Leonel disse:

    Já te disse que tu é uma fofa?

  3. Marta disse:

    Lindo Lore!!!
    “estude, estude, estude… mas se emocione sempre e ponha um pouco de poesia na vida das pessoas que lhe assistem dançar” PERFEITO!!
    Estava com saudade dos seus posts
    bjoooooooooooo

  4. LuArruda disse:

    eu não sabia desses acontecimentos todos… e esse hiato é bom, faz a gente reconhecer o essencial e o supérfluo. segue, segue… to muito orgulhosa dessa bailarina equilibrista 🙂

  5. Lis de Castro disse:

    Ai que liiiinda essa bailarina equilibrista, gente! É, quando colocamos tudo na ordem cronológica é que percebemos quanta coisa boa nos acontece, e que as não tão boas só servem para nos alertar ou nos dar força para continuar a jornada… Parabéns por cada conquista, florzita!

    • lorymoreira disse:

      Minha flor, vc esteve comigo nesse padacinho da minha história. Vc é uma das pessoas que merecem esse meu obrigado recheado de afeto! 🙂

  6. Carla disse:

    Lory, li seu texto aqui ontem, foi bão encontrar algo novo por aqui, ainda mais com tantas novidades…
    Ri sozinha, pq lembrei do e-mail que vc me mandou com a oração, rsrsrs, olhe só, deu certo!! 😉
    Beijos!

  7. Luísa Ruas disse:

    Obrigada, esse post me ajudou muito, eis que passo por um momentos instável. Beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s