Tamar Bar-Gil: dançar é um ato de amor

Meu estudo de dança árabe se aprofunda e direciona para uma leitura mais melódica onde a suavidade e o sentimento sejam protagonistas da cena.

Não tenho nada contra leituras modernas e agéis, mas quando escolhi fazer (e seguir fazendo) dança do ventre foi pela possibilidade que ela me dava de poder expressar, através de meu corpo que tem lá suas limitações, todos os sentimentos que residiam no meu coração. E o meu coração é melódico, não tem jeito!

Entre as bailarinas que admiro e estão no rol de minhas favoritas, quero destacar, nesse post, a Tamar Bar-Gil. Assim como a Orit Maftisir, a Tamar é de origem israelense – ministra aulas regulares em Tel-Aviv e tem um dança encantadora.

Trago para mostrar a vocês dois vídeos.

Neste primeiro, a Tamar aparece dançando Ba´ed Annak, música da Oum Khasoum:

O segundo é, o que eu descreveria como, a especialidade da Tamar – um taksim acordeon seguido de um baladizinho e solo de derbake:

Tanto no primeiro vídeo como no segundo, o que mais se destaca nessa bailarina, aos meus olhos, é a leitura fina, coerente e dentro daquilo que entendo como repertório da dança do ventre tradicional.

Não temos, em nenhum dos dois vídeos, uma leitura rebuscada de zilhões de arabesques, giros e linhas milimetricamente calculadas. É uma dança delicada, sim, com passos tradicionais da dança do ventre, sim, mas sem nenhuma pretensão de ser uma performance de exibição técnica. Há virtuosismo na medida exata: cada movimento é inteiro, bem executado, mas, sobretudo sentido.

Se alguém me perguntasse em que grau de entrega e envolvimento com a música árabe eu quero chegar enquanto bailarina, eu diria que é algo próximo a esse grau que a Tamar já chegou. Não há pressa em terminar as frases, não há necessidade de executar 100 movimentos por segundo, nem de provar coisa alguma a ninguém. É uma dança que exala amor.

E é nessa dança cheia de amor em que eu acredito. É por ela que sigo, persisto e me reinvento. É por ela que me dou quando estou professora. É ela que me dá coragem de subir em um palco e mostrar porque estou ali. Porque dança é amor. A Tamar Bar-Gil mostra que sabe bem isso e eu, caras amigas, nunca ousei sequer duvidar.

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

13 respostas para Tamar Bar-Gil: dançar é um ato de amor

  1. Maíra Magno disse:

    bravo!

  2. Natália disse:

    AH! muito lindo, me apaixonei pelo texto obrigado pelo texto que mesmo sem querer trouxe de volta toda minha animação pra aprender a dançar! (:

  3. Vivi Amaral disse:

    Dona de uma dança orgânica, que envolve, te prende.
    Ótimo post, fia!
    bjs

  4. Lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  5. Lindaaaaaaaaaaaaaaaaaa…..Lory q coisa linda é ela nesse 1º video…Tô apaixonada…Sabe q depois dakela musica agoniante do meu 1º solo…Eu tô indo pra esse caminho tbm de uma música mais lenta, mais sentida…E a musica do 1º video é linda…sou apaixonada por ela…e a Tamar entaum…APAIXONANTE

    • lorymoreira disse:

      Hum….!!!!!!!!!!!!! Gostei de ver, Marcelita! Risos! Essa música é Oum Khalsoum, flor. Especial é pouco. Essa música é um hino ao amor. Tô doida pra ver essa sua versão romântica, viu? 😉

  6. Hanna Aisha disse:

    Sabe que não curti muito a leitura da Oum Khoulsoum, não me prendeu, achei devagar quase parando. Mas eu adoro ela! Os baladi dela são sempre lindos de ver!

  7. LuArruda disse:

    ai Lory esse seu post me arrancou até um sorriso e uma lágrima. é disso que eu gosto e é isso que eu também acredito. lá vou eu seguindo com meu quadril – que não é poderoso – mas toda feliz. um beijo! obrigada por esses vídeos preciosos!

  8. Lucy Linck disse:

    Lory querida! Que post lindo!
    Essa bailarina é especial, mesmo…esse jeito de dançar que me encanta!
    Estava meio sumida por aqui, mas voltei e estou lendo os posts que perdi…
    Beijos e saudades!
    P.S.: Em julho, se tudo der certo, vou visitar Salvador, e quero te veeeer!!!

  9. Luísa Ruas disse:

    E é engraçado que parece que a gente se apaixona pela pessoa que tá ali. Como se a gente pudesse ver um pedacinho que quem ela realmente é através do que ela expressa. Eu não desvalorizo a dança show, porque exige muito esforço, mas acho importante que se esclareça a diferença entre arte e show, assim ambas as correntes poderiam se desenvolver no que lhe coubessem, sem comparativos.

  10. Le Petit Jess disse:

    Tamar é uma das bailarinas que mais admiro, movimentos delicados, sinuosos. Ela não precisa de muito para encantar, é possível ver seus sentimentos em sua dança.
    Gratidão pelo post, uma bela partilha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s