Para viver Mona el Said: notas de uma dançarina grávida.

Ui! Quanto tempo sem atualizar esse blog!

A vida está um corre-corre. Tem neném à caminho, trabalho novo e um monte de coisas que colocaram a dança de escanteio na minha vida neste momento.

Ainda assim, passo aqui para dividir com vocês uma experiência bacana que vivi no mês de Setembro – participar do Zaghareet, organizado por Lis de Castro.

O tema desse ano foi um resgate histórico da dança árabe, passando pelo Cassino de Badia Masbini até os dias atuais. Tudo feito com muito estudo e dedicação – característica marcante do trabalho de Lis como dançarina e professora.

Depois de muita briga (briga boa – de amigas, tá?) com Dona Lis – ela queria me desafiar (me empurrou Nadia Gamal no começo), eu queria minha zona de conforto (Samia Gamal), acabamos chegando a um meio termo saudável (quer dizer, não foi bem assim, mas deixa pra lá! Risos) – Mona el Said.

Mona el Said

Mona el Said

A troca da Nadia pra Mona foi prudente. Eu dançaria grávida. Nadia Gamal já é muito desafio pra um ser sem barriga, sem problemas de eixo, inchaço e dores constantes na lombar. Recebi Mona com grande contentamento.

Mas logo no começo dos estudos percebi que até Mona el Said, com sua dança mais calma e respirada, seria um grande desafio para ser lançado para alguém que precisaria dançar na 31a semana de gravidez.

Conversando com Lis e estudando alguns vídeos, optamos por um trechinho de um taksim nay que a Mona dança num dos vídeos postados no youtube.

Além desse vídeo, que explora bem a leitura maravilhosa essencialmente de shimmie que a Mona faz, aproveitei alguns movimentos de braços que ela faz em Kariat el Fingan.

Mas o maior desafio de estudar a Mona não é exatamente de ordem técnica. O desafio que a Mona me trouxe é de levar pro público o quanto essa mulher é sensual, dona de si e extremamente poderosa!

DSC_1509

Fotografia Alexsandro Silva

Pra uma pessoa mais tímida e reservada, como eu, isso é um baita desafio.

Me dediquei dias e dias observando sua postura, seu olhar, a forma como se comporta diante da música. Toda sua áurea é puro domínio de si. Ela sabe quem ela é, ela está ciente de seu poder feminino e explora isso de uma forma muito segura e peculiar.

O taksim nay escolhido foi o mesmo que a Mona dança no vídeo em questão. Lis extraiu o áudio e estudamos, juntas, algumas passagens. Lis me deu a faca e o queijo e fui correr atrás do corte, da arrumação e do sabor.

Fotografia Alexsandro Silva

Fotografia Alexsandro Silva

Mas havia um problema: grávida demais para dançar a parte mais percussiva da música. Não que grávida não possa fazê-lo, mas eu não podia. Tinha algumas restrições médicas e limitações corporais que me impediram de passar para essa segunda parte. A solução de Lis foi convidar mais duas alunas para, juntas, fazerem o que não pude.

O resultado foi esse aqui:

Se alguém me dissesse que, um dia, eu interpretaria a Mona com um taksim de nay, provavelmente eu não acreditaria. Eu diria que, pra viver a Mona, a leitura de percussão seria fundamental. Mas hoje, após ter estudado seu envolvimento emocional com a leitura do instrumento melódico, percebo o quanto de sentimento ela coloca em cada nota musical e me orgulho de ter conseguido passar um pouquinho (ainda que tenha sido beeeeeem pouquinho mesmo) disso para quem estava no público.

Foi gostoso e especial. E antes que me perguntem: não, meu bebê não se incomodou com os shimmies – ao contrário, ficou quietinho, provavelmente achando uma delícia a massagem que a mamãe estava fazendo nele 🙂

Beijos doces e volto assim que der.

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Para viver Mona el Said: notas de uma dançarina grávida.

  1. Lívia disse:

    Lory, que coisa mais linda vc dançando grávida! E olha que eu não sou nem um cadinho emocional com essa coisa de maternidade, na verdade eu não sou nada emocional, acho até chato rs… Estou apontando isso pra demonstrar como eu realmente gostei dessa dança, senti uma pena quando vc saiu, tava lindo. Interpretou dignamente a Mona el Said e foi suspirante. Parabéns! Sucesso.

  2. Elinete disse:

    Nossa!!! Parabéns muito lindo!!!
    Quando eu comecei a fazer aulas (em 2006) de dança do ventre descobri que estava grávida. Eu sempre gostei muito dessa arte, perguntei para a professora se não tinha problema em continuar as aulas por conta da gravidez e ela me disse que seria melhor eu abandonar as aulas, fiquei muito triste por que tava gostando muito. hoje vendo seu vídeo percebo que foi melhor ter saído mesmo das aulas dela. Hoje não tenho mais tempo pra fazer aulas (tenho dois filhos um de 6 anos que é especial e outro de 2). estou sempre pesquisando na net a respeito do assunto. Gostei muito do seu blog sucesso pra você Lory bjs!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s