Achados

Quando eu digo “dança do ventre” sem frescura, estou falando de performances como essa – que o tempo até apagaria, mas a memória da dançarina veterana não se esquece e, graças a Deus, o youtube nos traz de volta:

Não creio, sinceramente, que este padrão de dança envelheceu. Creio que partimos em busca de novos formatos, novas maneiras de se expressar corporalmente… E, sim, isso é válido! Super bacana! Mas algo ainda me diz que nos perdemos pelo caminho… e assistir esses vídeos foi um bálsamo pra mim!

Divido-os com vocês! Tragam suas impressões!

Abraços!

Anúncios

Sobre lorymoreira

Baiana, blogueira e apaixonada por música e dança árabe!
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Achados

  1. Elaine disse:

    Hum… Acho que você não vai gostar do meu comentário. Mas a minha impressão é que até na década de 90 a dança tinha um caráter quase que puramente sensual, parecia mais voltada à agradar ao homem que via que a mulher que dançava ou a mulher que assistia. O próprio vídeo na Hebe é filmado de forma a valorizar muito mais o corpo das meninas do que a dança em si. Não que elas não sejam ótimas bailarinas por isso.
    Acho que hoje em dia a dança do ventre tem um caráter mais técnico, mais expressivo, mas também mais lúdico, dependendo da bailarina. Não é perfeito, claro. Mas considero que melhoramos.
    Abraços.

    • lorymoreira disse:

      Não é que eu não goste. Eu só não concordo. Repara no uso de quadril que as duas fazem. Hoje não vemos isso. Vemos muito rebuscamento, muito ballet e pouco quadril. Se o uso do quadril é mais sensual? Sim! É. Quanto à filmagem, não podia ser diferente, nunca vi nenhum programa de TV, seja na década de 90 ou na atual, mostrar a dança do ventre de outra forma.

  2. Hanna Aisha disse:

    Lory

    Estamos com os pensamentos caminhando juntos!
    Comecei a preparar um post sobre esse sutil “retorno”, que acho que estamos buscando. Acho que a Dança do Ventre nada mais é que um movimento cultural que evolui, se reinventa e o “início” sempre será a referência para novas criações ou apenas releituras. A gente vê isso acontecendo na música.
    Enfim. Curti o segundo vídeo, me lembrou das minhas primeiras aulas com fita cassete…
    Beijos

  3. Luísa Ruas disse:

    Eu também sinto falta disso, Lory: em um festival inteiro raramente se vê uma bailarina se dedicar a dançar de maneira mais tradicional.
    Mas quanto ao fato de agradar mais aos homens, acredito que é consequência do desvendar de conhecimentos que a propagação da DV pelo mundo trouxe.
    Contudo, acredito que hoje a DV é dançada para agradar os demais colegas de profissão.
    Na minha opinião o que mais falta amadurecer na DV é um(a) dançarino(a) agradar a si mesmo no palco, expressar-se, conectar-se com a sua essência. Nesse sentido ainda estamos muito atrás de outras modalidades danças e acho que temos até regredido com essa necessidade que todo mundo tem de ser “diva”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s